NaBorda Encontros

NA BORDA/Intervenções
Nove coletivos criam Intervenções Urbanas em São Paulo

NA BORDA/Intervenções é uma mostra de intervenção urbana em São Paulo, que acontece no mês de abril de 2012, com nove coletivos artísticos: Bijari, Projeto Matilha, COBAIA, Contrafilé, EIA, Esqueleto Coletivo, Frente 3 de Fevereiro, Nova Pasta e Ocupeacidade. O processo de criação e os registros destas ações poderão ser acompanhado no site naborda.com.br.

Com duração total de três meses, o projeto NA BORDA/Intervenções também contempla a realização de três encontros públicos e gratuitos com os coletivos participantes, além do evento de abertura da exposição com o lançamento do livro.

O projeto NA BORDA/Intervenções foi aprovado no Concurso de Apoio a Projetos de Festivais de Artes da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.

Continuar a ler “NaBorda Encontros”

NA BORDA / intervenções

Nove coletivos criam Intervenções Urbanas em São Paulo

NA BORDA/Intervenções é uma mostra de intervenção urbana em São Paulo, que acontece no mês de abril de 2012, com nove coletivos artísticos: Bijari, Projeto Matilha, COBAIA, Contrafilé, EIA, Esqueleto Coletivo, Frente 3 de Fevereiro, Nova Pasta e Ocupeacidade. O processo de criação e os registros destas ações poderão ser acompanhado no site naborda.com.br.

Continuar a ler “NA BORDA / intervenções”

Intervir?

por Frente 3 de Fevereiro

Troca de e-mails para o Projeto Na Borda:  Em 5 de março de 2012 17:42, Daniel Lima <danielcflima@yahoo.com> escreveu:

Fevs, Na quarta passada fizemos a reunião do projeto Na Borda. Seguem as anotações abaixo:

Discutimos bastante as dinâmicas de segregação e exclusão da cidade de São Paulo (aplicada a várias outras metrópoles brasileiras). O que seria um jogo-paródia do “Banco Imobiliário”para São Paulo? Ande. Pule casas. Junte casas. Compre um shopping. Retorne ao início. Ocupe um terreno. Deixe a casa vazia. Espere a valorização. Vá a prisão. Volte ao jogo. Vença os outros. Vença a sociedade.

Continuar a ler “Intervir?”

Não foi a primeira vez que …………. demonstrou despreparo e arrogância.

por COBAIA

Não foi a primeira vez que …………. demonstrou despreparo e arrogância.

O ………….. foi obrigado a manter-se na calçada. Auxiliado por um policial militar, o ………… finalmente conseguiu entrar na ……….., mas já após ter sido submetido à humilhação pública e sofrimento.

Continuar a ler “Não foi a primeira vez que …………. demonstrou despreparo e arrogância.”

Desaparecido

por: BijaRi

Desaparecido é uma pessoa que secretamente(ou não) é abduzida ou presa pelo estado ou organização política, parapolítica ou paramilitar com autorização, apoio ou consentimento do estado, seguida por uma recusa no reconhecimento do destino ou paradeiro, com a intenção de remover a vítima da proteção da lei.

Continuar a ler “Desaparecido”

Parque para brincar e pensar

por Contra Filé

Entendemos que o Parque para brincar e pensar, na integração de inúmeros saberes e fazeres, tem como objetivo criar uma intervenção poética que torne visível a realidade de um território com todas as suas contradições e que, ao mesmo tempo, seja descobridora de sonhos, perspectivas e projetos de futuro. Assim, o Parque se configura como um grande símbolo, daquilo que é e, ao mesmo tempo, daquilo pode vir a ser.

Continuar a ler “Parque para brincar e pensar”

Teto de Vidro

por Esqueleto Coletivo

A MATÉRIA: O VIDRO

Qual a mínima ação possível para quebrar a linearidade da vida contemporânea? Como, pelo menos deslocar, mesmo que por alguns instantes, a continuidade temporal da nossa existência?

A imagem que surgiu foi a do vidro e sua quebra. Vidro, elemento ambíguo, que todos veem como sólido, mas é líquido. Sua transparência nos lembra o tempo, que existe mas não é possível enxergá-lo. O Impalpável totalmente palpável, o abstrato concreto.

Continuar a ler “Teto de Vidro”

“IDENTIDADE TRANS” – intervenções poéticografadas

por Projeto Matilha + Agência Ficcional (EIA).

AGENTES & TRANSCENDENTES

vestir a fantasia de si mesmo. despir-se, revelando o devir. brincar de ser, sendo.

IDENTIDADES EM TRÂNSITO

Seria possível a identidade que nos acompanha no dia-a-dia transcender aquilo que acreditamos ser? Quais seriam os desejos pulsantes capazes de deslocar a nossa identidade primeira, constituída pelas condutas sociais? Quantas combinações variantes de identidade cabem num corpo? E como isso se dá? O projeto Matilha inicia sua investigacão artística a partir dessas questões, para abordar dizeres poéticos do indivíduo através de seu auto reconhecimento.

Continuar a ler ““IDENTIDADE TRANS” – intervenções poéticografadas”