Poética do Dissenso, texto

Poética do Dissenso é um retrato histórico e poético do centro da cidade de São Paulo, realizado no início do século XXI por artistas, coletivos de arte e movimentos sociais, que criaram juntos um campo de conflito contra um estado de invisibilidade. Um momento em que novas estratégias de ação surgiram para distinguir o que não cabe no que é dado como consenso.

Entre 2003 e 2007, centenas de artistas e coletivos integraram o movimento de resistência dos Sem Tetos. O ícone dessa integração foi a Ocupação Prestes Maia, na época a maior ocupação vertical da América Latina (com cerca de 468 famílias), que serviu como plataforma de um dos grandes momentos da arte política urbana de São Paulo.

Tanto o Prestes Maia como outras várias ocupações estavam sofrendo Reintegração de Posse, e os sem tetos estavam perdendo suas casas. A chegada dos artistas criou uma aura de visibilidade para o conflito dentro da mídia, dentro da cidade, dentro da arte contemporânea, evidenciando formas de engajamento desafiantes, que marcou toda uma geração de artistas.

O encontro dos artistas com os sem tetos mudou a vida de muita gente dentro e fora das ocupações. Política do Dissenso é parcialmente o resultado estético desse encontro.

Com Poética do Dissenso, apresenta-se um recorte das intencionalidades, estratégias, atividades e trabalhos desenvolvidos a partir do diálogo desses artistas com os habitantes e as problemáticas do Ed. Prestes Maia, evidenciando formas de engajamento da arte com tais circunstâncias sociopolíticas, lançando luz sobre suas forças, desafios e dilemas. Este recorte fala dos absurdos sofridos por moradores pela ação do estado e de outras ocupações sendo a Ocupação Prestes Maia o foco central.
Poética do Dissenso é um retrato histórico e poético do centro da cidade de São Paulo, realizado no início do século XXI por artistas, coletivos de arte e movimentos sociais, que criaram juntos um campo de conflito contra um estado de invisibilidade. Um momento em que novas estratégias de ação surgiram para distinguir o que não cabe no que é dado como consenso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.