Zona de Poesia Árida

Zona de Poesia Árida apresenta o conjunto de mais de 55 trabalhos de coletivos de arte e ativismo de São Paulo que, no MAR, constituem o Fundo Criatividade Coletiva/Doação Funarte, formado por meio da 6a edição do Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça, iniciativa de grande importância no campo das políticas públicas da cultura deste país.

A coleção evidencia o processo de adensamento curatorial que sublinha a condição do MAR demuseu de processos: o Fundo Criatividade Coletiva é um fundamental desdobramento da presença de diversos coletivos e grupos de São Paulo na exposição inauguralO Abrigo e o Terreno, que debateu o direito à cidade e à habitação, alémdas relações entre público e privado. A produção de artistas, ativistas e integrantes de movimentos sociais é inflexão na história da arte brasileira que demanda ser pensada criticamente. Colecionar, exibir e refletir sobre essa produçãofaz-se necessário para que suas prementes questões – sociais, estéticas, políticas, econômicas – encontrem ressonância,ampliando seu público e o alcance histórico de suas lutas.

Mais adiante, a incorporação desse conjunto à Coleção MAR dá as bases para a discussão em torno dos processos de publicização e institucionalização da arte – e, de modo geral, das práticas de criação e resistência da sociedade –, debate essencial que exige das instituições uma renovada capacidade de autocrítica. Assim, a pauta da crítica institucional dá mais um importante passo no museu, posta que está desde O Abrigo e o Terreno e avançando por entre exposições como Turvações Estratigráficas – Yuri Firmeza, Eu Como Você – Grupo EmpreZaou o recente Museu do Homem do Nordeste.

Se, como demonstra Zona de Poesia Árida, os anos 2000 instauraram novas práticas, entrecruzando estratégias da arte e do ativismo de modo especialmente intenso, é, enfim, com o desejo de reverberar essa potência de questionamento e invenção que se consolida o Fundo Criatividade Coletiva. Afinal, o Museu de Arte do Rio, como instituição que surge no século XXI –, encarando os desafios colocados pelo atual contexto sociopolítico da cultura, compreende que é parte de suas responsabilidades a contínua ativação desse campo de investigações.

Museu de Arte do Rio – MAR

********************************************************************************************

Zona de Poesia Árida

Existe nos trabalhos de Zona de Poesia Árida a capacidade de espalhamento que é inerente ao campo da produção cultural coletiva. Há obras que, mesmo tendo sido produzidas no início do século, são cada vez mais atuais e se afirmam como referência nos campos da arte e do ativismo, a exemplo da sequência de bandeiras da Frente 3 de Fevereiro e seu questionamento sobre o racismo no futebol; ou ainda o Monumento à catraca invisível, do coletivo Contrafilé, em que o símbolo catraca – e sua tácita “descatracalização” – tem sido atualizado como um marco de luta.

São obras de uma geração que viveu e criou junto uma trajetória, um repertório, um conjunto singular de ações numa das maiores metrópoles do mundo. Uma geração que esgarçou o espaço institucional até a vida pública, cruzando e sendo atravessada por movimentos sociais diversos.

Reúnem-se não apenas os trabalhos mais relevantes de parte dessa geração de coletivos artísticos paulistanos do início do século XXI, constrói-se também uma Zona de Poesia Árida, que tem como topografia a cidade e suas fendas.

Daniel Lima e Tulio Tavares, curadores

********************************************************************************************

 

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

 

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

********************************************************************************************

TEXTOS CURADORES

####

CUIDADO COM O FOGO

por Túlio Tavares

 

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é cuidado-com-o-fogo-tulio-tavares.jpg

O A(r)tivismo é brincadeira? O Ar(r)ivismo é sério?

Com quantos umbigos se faz um coletivo? Um(b)iguismo?

Tudo começa no início dos anos 2000. Estávamos em um grande devir tentando criar táticas de sobrevivência por meio das trocas de interesses, conteúdos e afetos. Produzíamos fora do circuito financeiro, trabalhando coletivamente, criando coletivos, participando de outros coletivos, articulando uns com os outros. Fui parar no meio de um furacão e um furacão só acontece se estiver tudo preparado para ele acontecer; não existe um furacão que surja do nada; os elementos estavam todos lá: a quantidade certa de umidade, a quantidade certa de ar, a transformação de temperatura daqui para lá, um vento x, y que vai passar ali por baixo e, pum!, explodiu um furacão. O que eu digo é: estava tudo no ar para que houvesse essa aproximação, cidade caótica, artistas organizados em coletivos e movimentos sociais. Toda a lógica do que viria a acontecer já estava lá antes mesmo desse furacão que aconteceu livre, sem amarras, sem contratos, sem 13º. Sabíamos da força simbólica que essa rede de resistência urbana poderia ter nas esferas micro e macropolíticas.

Posicionávamo-nos radicalmente contra a cultura espetacular e a espetacularização em geral, ou seja, contra a não participação, a alienação e a passividade da sociedade. Propúnhamos a participação dos indivíduos em todos os campos da vida social, principalmente na cultura.

Muitos desses coletivos, até hoje, produzem ações que são práticas de intervenção em espaços públicos, mesclando arte e ativismo, que se disseminam por meio de redes virtuais e presenciais. Utilizando-se da comunicação em rede, naquele momento, passaram a organizar ações contra os ícones do sistema neoliberal.

A arte produz imagens, sons, memória, reverbera na sociedade e nas pessoas, que reverberam em outras pessoas ainda, metáfora biológica, disseminação. A arte fala do tempo social, muda os rumos do tempo histórico, transforma a sociedade.

Vivemos em guerra na cidade de São Paulo. Parte-se aqui da hipótese que existiu algo em comum entre os coletivos artísticos que se utilizam do espaço público como terreno de ação. Projetos artísticos coletivos indagam sobre as relações entre arte, política e questões da vida nessa cidade que produz um espaço estrategicamente excludente. Operam em um campo minado, onde talvez não seja possível entrar sem arriscar-se.

Por isso a procura por movimentos populares, ir para a cidade, para as ocupações, para lugares abandonados, lugares que ninguém vê. Sabíamos que novos símbolos poderiam ser produzidos, mesmo que fossem símbolos que perdessem a categoria de ”arte”. Porque esses grupos deixaram de ser um movimento de arte e se tornaram um movimento da cidade, ambiental, político, social, aproximando o campo da arte àquele do ativismo político por meio de intervenções em espaços não institucionalizados e de caráter eminentemente crítico.

O mundo da arte não compreendeu, naquele momento, o que estava acontecendo: acaba-se com a referência à arte. Não éramos mais compreendidos por teóricos nem por nós mesmos. Resolvemos nos perder. Eram barricadas simbólicas contra a polícia; placas de propagandas imobiliárias roubadas das ruas, repintadas com formas e desenhos pelo coletivo EIA. As coisas estavam sempre fora de qualquer ordem, fora de qualquer coisa reconhecida. Como fazer barricada simbólica de arte que interrompe a ação da polícia em dia de despejo? A polícia teria de retirar obras de arte de seu caminho para invadir a ocupação e arrancar as pessoas de dentro dela. Aquelas barricadas com placas imobiliárias foram se repetindo, até que foram repintadas pelo coletivo Elefante e ganharam a palavra “DIGINIDADE”. Agora era possível entender um pouco melhor. Já não é obra de arte tentando barrar a chegada da polícia, é a palavra “DIGNIDADE”. Eram barricadas porque aquelas placas tinham tamanho físico para isso e a gente imaginava a tropa de choque chegando e tendo de tirar um monte de coisas de dentro. E, principalmente, agora teria de retirar a palavra “DIGINIDADE”.

Os artistas que faziam arte, naquele momento, manipulavam a informação, manipulavam como certo grupo social de moradia seria visto pela mídia. Tudo muito plástico, tudo muito imagético.

Não foi fácil, não foi simples, foi um momento de muita tensão. Estava no ar o perigo de ter de sair correndo no meio de qualquer madrugada. Estávamos lá fazendo arte, experimentando.

Acredito que o movimento desses coletivos será famoso quando não oferecer mais perigo, quando não cheirar mais a merda, quando virar fotos, filmes, livros, mestrado, doutorado, pós-tese, estiver em grandes bienais e museus para dizer o quanto aquele ato simbólico foi importante. Nesse momento em que o movimento parecer perfume é que o vírus, implantado lá atrás, no primeiro instante, antes do furacão se formar, estará eternamente desequilibrando, desarrumando, desorganizando e atrapalhando. Novas pessoas lá na frente, mesmo com o negócio embrulhadinho, serão cooptadas por esse vírus desorganizante. Elas pensarão coisas poderosas, potentes e continuarão desagregando. Essa é minha grande intenção, que toda essa história seja um elemento desagregador eterno de valores absolutos. Um processo viral de agenciamento coletivo de zonas autônomas temporárias, produzidas a partir de incessantes recomposições dissensuais e não a partir da lógica do consenso. São fatos que apontam para os limites entre a potência de subversão e o poder de cooptação dentro do sistema de arte e da vida, artigo de consumo; um momento em que o sistema de arte, o sistema político e econômico conseguem apropriar-se de todo movimento crítico de ruptura.

São devires de construções históricas, ações e interferências absurdas ou surreais no tempo e em algum lugar no espaço do universo que é infinito.

Neste texto estão presentes as vozes de Sebastião de Oliveira Neto, Ricardo Rosas, André Mesquita, Fabiane Borges, Flavia Sammarone, Milena Durante, Ricardo Basbaum, Platão.

Túlio Tavares

********

Trabalho de arte Cuidado com o fogo, 2003, Túlio Tavares

O trabalho consistiu em uma colagem com letras que formam a frase “CUIDADO COM O FOGO”, realizada em uma parede no terraço do último andar da Ocupação Prestes Maia, com vista para a cidade. Era uma clara referência ao incêndio que sucedera no edifício em setembro de 2003, portanto, três meses antes da exposição ACMSTC, que resultou na destruição de quatro andares e na morte de uma menina de 4 anos. Fica clara aqui a tensão da situação: se por um lado há uma referência direta a uma tragédia ocorrida no prédio, por outro coloca em evidência o risco daquele evento-acontecimento. “Pegar fogo” tinha a ver tanto com o incêndio quanto com as explosões e as repercussões que um acontecimento daquele poderia gerar.

 

BE CAREFUL WITH THE FIRE 

Is a(r)tivism a joke? Is a(r)rivisme serious?

 How many belly buttons make a collective? Belly(b)uttonism?

 Art goes beyondthe perception that we have of it in real time. In fact, what is seen isn’t exactly art, but a kind of distorted reflection. Therefore it is easy to be blinded in the moment that we want to understand it.

It all began in the early 2000s. We were in a greatseries of transformations, trying to create survival tactics through the exchange of interests, content and affections. We produced outsidethe financial circuit, working collectively, creating collectives, taking part in other collectives, articulating with each other. I ended up in the middle of a hurricane, and a hurricane only happens if everything is ready for it to happen; a hurricane never comesout of nowhere, the elements were all there: the correct amount of humidity, the right amount of air, the change in temperature from here to there, wind x passes just below wind y and, boom!, a hurricane exploded. What I say is this: everything was in the air for this coming together to happen,a chaotic city and artists organised in collectives and social movements. Allthe logic that would cause this to happen was there, before even this hurricane,which happened freely, with no strings attached, without contracts andwithout the 13th monthly wage that Brazilian workers are entitled to at the end of each year. We knew the symbolic force that this urban network could have in the micro and macro political spheres.

 We radically positioned ourselves against spectacular culture and spectacularisation in general, or rather, against the non-participation, alienation and passiveness of society. We proposed the participation of individuals in all fields of social life, especially in culture.

 Even nowadays, many of these collectivesproduce actions that are practices of intervention in public spaces, combining art and activism which are spread through virtual and face to face networks. Using network communication back then, we ended up organising actions against icons of the neoliberal system.

 Art produces images, sounds and memory. It reverberates in society and in people, who then reverberate with even more people. Biological metaphorand dissemination. Art speaks of social time,it changes the course of historic time and transforms society.

 We live in war in the city of São Paulo. It starts here, with the hypothesis that the art collectives using public space as the field of action all had something in common. Collective artistic projects question the relationship between art, politics and issues of life in this city,which produces a strategically excluded space. They operate in a minefield, where it might not be possible to enter without putting themselves at risk.

Hence the searchby grassroots movements, to go to the city, to the squats, to abandoned places, places that no one sees. We knew that new symbols could be produced, even if they were symbols that might fall out of the category of ‘art’. Because these groups stopped being an art movement and became a movement of the city, environmental, political and social, bringing the field of art closer to that of political activism,as a result of interventions in non-institutionalised spaces and with an eminently critical character.

The art world didn’t understand then what was happening: thereference to art is annihilated. We weren’t better understood by theorists or even by ourselves. We ended up losing ourselves. Therewere symbolic barricades against the police; signs advertising real estate were stolen from the streets, repainted with forms and designs by the EIA collective. Things were never inany form of order, far from anything recognisable. How do you create a symbolic artistic barrier which interrupts the actions of the police on a day of eviction? The police would have to remove artwork from their path, to invade the squat and take people out. Those barriers made from real estate signs were being repeated, until they were repainted by the Elefante collective and ended up with the word ‘DIGNITY’. Now it was possible to understand a little better. Now it is no longer a work of art trying to block the arrival of the police, it is the word ‘DIGNITY’. They were barriers because those signs had a physical size for this, and we imagined the riot police arriving and trying to take many things from inside. But now they would mainly have to remove the word ‘DIGNITY’.

The artists that produced art at that time used to manipulateinformation, they would manipulate how a certain group of social housing would be seen by the media. Everything very plastic, everything very imagetic.

It wasn’t easy, it wasn’t simple. It was a moment of great tension. In the air was the danger of having to leave running in the middle of the night. We were there producing art, experimenting.

I believe that the movement of these collectives will become famouswhen they no longer pose a threat, when it no longer smellslike shit, when it becomes photos, films, books, master’s degrees, PhDs, post-theses, to appear in large biennales and museums in order to say why that symbolic act was important. Right now, when the movement appears to be perfume is when the virus, implanted there at the back, right at the start, before the hurricane forms, will be eternally unbalancing, messing things up, disorganising and disrupting. New people there at the front, even with things neatly packaged, will be co-opted by this disorganising virus. They will think powerful, potent things and continue to disintegrate. That is bigger intention, that all this history is an eternal disintegrating element of absolute values. A viral process of collective agency of temporary autonomous zones, produced starting from incessant dissenting recompositions and not from a logic of consensus. They are facts that point to the limits between the power of subversions and the power of co-option within the system of art and life; a moment in which the art system and the political and economic system manage to take ownership of every critical movement of disruption.

They are‘becomings’of a historical construction, actions and absurd or surreal interferences in time and some place in the universe that is infinite.

Present in thistext are thevoicesof Sebastião de Oliveira Neto, Ricardo Rosas, André Mesquita, Fabiane Borges, Flavia Sammarone, Milena Durante, Ricardo Basbaum, Plato.

Túlio Tavares

***

Artwork Becareful with the fire, 2003, Túlio Tavares

 This work consisted of a collage of letters that formed the phrase “BE CAREFUL WITH THE FIRE”, which was carried out on a wall on the terrace of the last floor of the OcupaçãoPrestes Maia squat, with a view to the city. It was a clear reference to the fire that happened in the building in September 2003, three months,therefore, before the exhibition ACMSTC, which resulted in the destruction of four storeys and the death of a four year old girl. The tension of the situation is clear here: If on one side there is a direct reference to the tragedy that occurred in the building, on the other it highlights the risk of that event-occurrence. “To catch fire” had as much to do with the fire as with the explosions and repercussions that an event like that could cause.

Nosso desafio é seguir o nosso desassossego.

por Daniel Lima

Zona de Poesia Árida

Não somos o asfalto desta rua? Não somos o cimento destes muros? Não somos as janelas deste tempo que se escancara sempre, sempre e sempre? Viemos para marcar este território com outra poética. Criar outro mundo. Viemos para a prática de uma política impossível e infinita. Multiplicar histórias sem palavras em toda parte, nas ruas, nas casas, nas rodas de conversa, nos casais, no afeto, na luta. Nos damos a permissão de uma saída de emergência.

O nó, o emaranhado, o caminho. Não se trata de tentar desembaraçar e trazer ordem ao caótico. Mas, sim, encontrar no tumulto pontas de fios. Oferecer partidas.

“A esse fascismo do poder, nós contrapomos as linhas de fuga ativas e positivas, porque essas linhas conduzem ao desejo, às máquinas do desejo e à organização de um campo social de desejo: não se trata de cada um fugir ‘pessoalmente’, mas de fazer fugir, como quando se arrebenta um cano ou um abscesso. Fazer passar fluxos, sob os códigos sociais que os querem canalizar, barrar.”

Félix Guattari. Conversações, 1972

O perigo maior da intervenção: deixar de ser aparição e se tornar cena. Corre-se o risco constante de perder sua dimensão de desterritorialização e apenas assumir uma reterritorialização. Uma experiência que, em vez de apagar os contornos, os refaz em outro contexto, deixando apenas espaços para pequenas variáveis. A aparição – nunca sabemos se é completamente real, existe certa translucidez. É possível ver através, atravessar o fato. O surgimento da aparição permite ver juntos o contínuo e o descontínuo da situação.

Onde estão esses atalhos, essas passagens para as cidades por trás da cidade? Onde podemos achar essas veredas, esses caminhos estreitos? Em que situações podemos ser sugados, tomados para esse outro lado do espelho?

Diante de um campo aparentemente hegemônico, somos impelidos a criar passagens, atalhos, saídas de emergência, abertas pela pirotecnia de um terrorismo poético. Dispositivos autodestrutivos. Ao final, o homem se explode também. Explosões criadoras de cada conceito-vivo, cada ideia-criatura, cada inseto-pulador, cada vírus-criador.

Em algumas áreas, cava-se pouco e logo na superfície jorram incontáveis forças represadas. Muitos buracos levam a uma árida geologia. Vibrações indicam terrenos leves de areia, paredes profundas de granito, porosidades distintas. Nós arquitetamos complexos labirintos. Nos apertamos em túneis estreitos para, às vezes, abrir passagens para novos mundos.

‒ A organização coletiva vem como alternativa a este mundo extremamente competitivo e individualizado. Abre espaços para outros modos de vida, outras relações de afeto e de trabalho.

‒ Mas, também, o coletivo significa a exacerbação das características flexíveis do sujeito contemporâneo. Significa elevar a potência de lidar com as diversas demandas do circuito cultural.

‒ Mas os coletivos são uma estratégia de resistência. No sistema cultural, a prática coletiva possibilita uma trajetória transversal. Mas, mais importante, nos movimentamos de maneira a reunir certas vozes dissonantes…

‒ Incorporamos uma verdadeira reserva crítica de posições marginais e contraculturais…

‒ Para isso, estabelecemos alianças, trocas e atritos. Constituímos uma trama subterrânea de passagens entre movimentos sociais, pesquisas acadêmicas, artistas, coletivos, ocupações, instituições, redes…

‒ Essa movimentação, tanto institucional como não institucional, traz um imenso risco de perder-se. Alienar-se de si mesmo. Podemos facilmente não reconhecer o que estamos produzindo.

‒ Nosso desafio é seguir o nosso desassossego.

Daniel Lima

 

Arid Poetry Zone

Aren’t we the asphalt of this street? Aren’t we the cement of these walls? Aren’t we the windows of this time thatare always flung open, always and always? We came to mark this territory with another poetry. To create another world. We came for the practice of a politics that is impossibleand infinite. To multiply stories everywhere without words, on the streets, at home, incirclesof conversation, in couples, in affection, in struggle. We allow ourselves an emergency exit.

The knot, the tangle, the path. This is not about attempting to untangle and bring order to what is chaotic. But rather, to find the ends of wires in the turmoil. To offer departures.

“To this fascism of power, we oppose the positive and active lines of flight, because these lines lead to desire, to machines of desire and to the organisation of a social field of desire: it is not about escaping “personally”, but to make escape, like when a pipe or an abscess bursts. To allow streams to flow, under the social codes that want to cannibalise, to block them.”

Félix Guattari. Conversations, 1972

The greatest danger of intervention: to cease to be an apparition and become a scene. You run the constant risk of losing your dimension of deterritorialization and simplyassume a reterritorialization. An experience that instead of erasing contours, recreates them in another context, leaving only spaces for small variables. The apparition – we never know if it is completely real, there is a kind of translucence. It is possible to see through it, through the fact. The emergence of the apparition allows us to see together the continuous and discontinuous of the situation.

Where are these shortcuts, these passages to the cities behind the city? Where can we find these routes, these straight paths? In what situations can we be sucked in, taken to the other side of the mirror?

Faced with an apparently hegemonic field, we are driven to create passages, shortcuts, emergency exits, opened by the pyrotechnics of a poetic terrorism. Self-destructive devices. In the end, man also explodes. Creative explosions of each live-concept, each idea-creature, each insect-jumper, each virus-creator.

 

In some areas, you dig a little and soon on the surface gush countless repressed forces. Many holes lead to an arid geology. Vibrations indicate light lands ofsand, deep walls of granite, distinct porosities. We project complex mazes. We squeeze into straight tunnels in order to, occasionally, open passages to new worlds.

‒The collective organisationcomes as an alternative to this extremely competitive and individualised world. It opens spaces for other ways of life, other relationships of affection and of work.

‒But the collective alsomeans the exacerbation of the flexible characteristics of the contemporary subject. It means raising the power to deal with the various demands of the cultural circuit.

‒But collectives are a strategy of resistance. In the cultural system, collective practice enables a transversal trajectory. But, more importantly, we move in a way that brings together certain dissenting voices…

‒We incorporate a true critical reserve of marginal and counter-cultural positions…

‒To do this, we establish alliances, exchanges and frictions. We form an underground web of passages between social movements, academic research, artists, collectives, squats, institutions, networks…

‒This movement, as much institutional as it is non-institutional, runs a huge risk of becoming lost. Alienated from itself. We can easily not recognise what we are producing.

‒Our challenge is to follow our disquiet.

Daniel Lima

 

 

 

0
Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.